O que acontece quando uma cidade cria sua própria moeda social?

Visando diminuir o golpe do COVID-19, a cidade de Tenino começou a emitir seus próprios dólares de madeira que só podem ser gastos em empresas locais.
Por Linoleum Crew
20/06/2020
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
PUBLICIDADE

Wayne Fournier estava sentado em uma reunião da cidade quando teve sua grande ideia de criar uma moeda social.

Como prefeito de Tenino, Washington (população: 1.884), ele assistiu à pandemia atacar as empresas locais. Os moradores não podiam pagar mantimentos. Filas longas serpenteavam fora do banco de alimentos local. Por mais de um mês, o centro da cidade pareceu quase abandonado.

Para trazer de volta a economia, Fournier precisava agir. “Estávamos conversando sobre doações para empresas, microempréstimos, tentando formar uma parceria com vários bancos diferentes”, diz ele. “A grande preocupação era: ‘Como ajudamos diretamente famílias e indivíduos?'”

E então ele percebeu: “Por que não começar nossa própria moeda?”

O plano nasceu rapidamente. Fournier decidiu que Tenino reservaria US$ 10 mil para doar a moradores de baixa renda feridos pela pandemia. Mas, em vez de usar dólares federais, ele imprimia o dinheiro em finas folhas de madeira projetadas exclusivamente para uso em Tenino. Seu segredo? Uma impressora de jornal de 130 anos de um museu local.

A ideia central de Fournier é extraída da própria história de Tenino. Durante a Grande Depressão, a cidade imprimiu conjuntos de dólares de madeira usando exatamente a mesma impressora de jornal de 1890. Dentro de um ano, a moeda de madeira havia ajudado a trazer a economia de volta dos mortos.

Ao restabelecer a moeda antiga agora, Fournier acidentalmente se tornou parte de um movimento muito maior. Com as empresas preocupadas em manter as luzes acesas e as pessoas lutando para conseguir gastar dinheiro, as comunidades têm se esforçado para manter suas economias locais à tona.

Então, eles reviveram uma estratégia antiga: em caso de dúvida, imprima seu próprio dinheiro. Ou em tempos atuais, elabore uma moeda social.

Hoje, essas chamadas “moedas locais” podem ajudar as pequenas comunidades a se recuperarem das consequências econômicas do COVID-19.

A grande aposta de Tenino

Bombeiro desde os 18 anos, Fournier ganhou notoriedade local por uma série de projetos de arte guerrilheira ao estilo de Banksy, que se destacaram entre os líderes locais.

Logo depois que ele se revelou, ganhou uma vaga no conselho da cidade; quatro anos depois, em 2016, ele se tornou prefeito de Tenino.

Fournier estava trabalhando em planos para criar mais de 150 novos empregos agrícolas. Mas os negócios de Tenino – que são de propriedade local e administram em pequenas margens – não foram construídos para resistir a um bloqueio.

wayen-fournier-tenino
Wayen Fournier, prefeito de Tenino

“Muitos deles já disseram que não vão reabrir”, diz Fournier, “[e] os que estão esperando vão precisar de um impulso”.

A cidade também é mais pobre que o resto do estado de Washington. “Temos uma taxa mais alta de crianças em nosso distrito escolar que recebem almoço grátis e reduzido”, diz Fournier. “Há uma taxa mais alta de pessoas que estão na pobreza.”

O programa de moeda social local de Fournier funciona assim: residentes abaixo da linha da pobreza podem se inscrever para receber dinheiro do fundo de US$ 10.000 que Tenino reservou. Fournier diz que eles também precisam provar que a pandemia os afetou, mas “estamos bastante abertos ao que isso significa”.

Depois de aprovados, eles podem receber seus benefícios, impressos em notas de madeira no valor de US$ 25 cada. A cidade está limitando o valor que cada residente pode acumular com 12 notas de madeira – ou US$ 300 – por mês. De acordo com Fournier, cada nota apresenta uma inscrição em latim que significa, basicamente, ‘Nós resolvemos isso’.

Os gastos vêm com algumas restrições: os residentes não podem usar o dinheiro para comprar cigarros, bilhetes de loteria ou álcool. A moeda foi projetada para o essencial, incluindo alimentos, gás e creche. Quase todas as empresas da cidade aceitam as notas de madeira e, duas vezes por mês, podem enviar solicitações de resgate à cidade para transformar as notas em dinheiro.

Mas por que imprimir o dinheiro na madeira? Por que não dar aos residentes US$ 300 em dólares federais?

A resposta é simples: ao criar sua própria moeda local, o Tenino mantém o dinheiro na comunidade. Como Fournier coloca, “a Amazon não aceitará dólares de madeira”.

“O dinheiro fica na cidade. Não vai para o Walmart, Costco e todos esses lugares ”, diz Joyce Worrell, que administrou a loja de antiguidades Iron Works Boutiques na última década. Worrell vende roupas, jóias e – em um jardim ao lado de sua loja – uma variedade de móveis. Atualmente, ela adicionou máscaras e desinfetantes.

Moeda Social Local de Tenino
A Moeda Social Local de Tenino

Fechar os negócios nos últimos meses, diz Worrell, foi “uma catástrofe para muitos de nós”. Mas ela se uniu à moeda de madeira como uma maneira de revitalizar a economia local – afinal, ela já funcionou para a cidade uma vez. A moeda ainda não chegou à loja dela, mas ela espera isso em breve.

“Muitas pessoas em nossa cidade trabalham para lugares que contratam ajuda de baixo salário, meio período, de modo que ficaram sem trabalho o tempo todo”, diz Worrell. “Isso mostra que estamos fazendo algo como comunidade para realmente intervir e ajudar”.

As origens da ‘moeda de madeira’

Em Tenino, a moeda de madeira vem de muitas décadas atrás.

Originalmente lar da tribo Nisqually, os colonos de fora chegaram a Tenino pela primeira vez em 1851, quando um corretor de ouro do Maine estabeleceu uma fazenda ao lado da vizinha Scatter Creek. Em 1872, a Northern Pacific Railroad adicionou uma nova estação em Tenino e, por um tempo, a cidade foi a parada mais ao norte da costa oeste.

Em meados da década de 1900, o mundo conhecia Tenino por três coisas: seu negócio de madeira, suas pedreiras e sua moeda de madeira.

A lenda da moeda de madeira começou em dezembro de 1931, quando o único banco de Tenino fechou. A Grande Depressão estava devastando o país e inúmeras pessoas da cidade perderam suas economias. A maioria teve que gastar pouco dinheiro para pagar mantimentos, aluguel e outros itens essenciais.

Um editor de jornal local chamado Don Major apresentou uma solução: com o banco desaparecido, Tenino poderia inventar sua própria moeda. Os funcionários concordaram, e Major imprimiu uma série de notas – 25 centavos, US$ 1, US$ 5, US$ 10. Ele e dois médicos locais concordaram em apoiar toda a moeda. Em janeiro de 1933, a cidade havia imprimido US$ 6,5 mil em dinheiro de madeira.

moeda social anos 30

Tenino não estava sozinho nesta experiência. Durante a Grande Depressão, as moedas sociais locais tiveram uma idade de ouro. Centenas de municípios, associações empresariais e cooperativas de trabalhadores começaram a emitir dinheiro. Uma estimativa sugere US$ 1 bilhão circulados nos EUA na década de 1930.

As empresas sem dinheiro logo dependiam das moedas locais para pagar os salários de seus funcionários. Uma história exemplar veio do editor da União de Springfield, em Massachusetts, que começou a pagar funcionários com sua própria moeda social nos anos 30.

A idéia: os funcionários poderiam gastar esta moeda em empresas que anunciavam no jornal que o enviavam de volta à União em troca de espaço publicitário, fechando o ciclo econômico.

A moeda de Tenino, em particular, capturou o zeitgeist. As notícias da moeda de madeira se espalharam primeiro pelo país, depois pelo mundo.

Bancos em Chicago começaram a aceitar o dinheiro de madeira de Tenino. Washington Senator C.C. Dill se gabou disso no Congresso. O Los Angeles Times declarou: “O dinheiro agora cresce nas árvores”. Turistas da Índia vieram a Tenino para pegar um pedaço de sua própria moeda de madeira. A demanda cresceu tanto que os colecionadores começaram a pagar US$ 2,50 por um único quarto de madeira – uma marcação de 10x.

Como Fournier coloca: “Tornou-se viral na década de 1930”.

Em 1º de janeiro de 1933, quando as empresas de Tenino deixaram de aceitar a moeda de madeira, os jornais americanos proclamaram que a cidade havia “saído da floresta e retornado ao padrão ouro”.

As moedas sociais locais podem realmente salvar a economia?

Dê uma olhada em todo o mundo e você encontrará moedas sociais locais em todos os lugares. Em meio às consequências econômicas do COVID-19, os líderes das cidades pequenas adotaram a mesma idéia que Fournier:

  • A cidade de Castellino del Biferno, Itália – população 550 – começou a imprimir uma moeda de papel local apelidada de “Ducati” no final de abril para estimular o comércio.
  • O Santa María Jajalpa do México enviou cerca de US $ 2 mil em uma moeda local, chamada jajalpesos, para ajudar os moradores pobres a comprar legumes, frango e tortilhas localmente.
  • A cidade brasileira de Maricá está ganhando dinheiro extra com uma moeda digital local conhecida como mumbuca. Os mumbucas são tão onipresentes – até os funcionários da cidade recebem seus salários em mumbucas – que as empresas pagam ao governo local uma taxa de 2% para aceitá-los. Esse dinheiro é canalizado para empréstimos sem juros que são oferecidos a membros da comunidade.

Nos EUA, o movimento da moeda local é mais fraturado. Muitas moedas – como Ithaca HOURS (Ithaca, Nova York) ou Bay Bucks (Traverse City, Michigan) – causaram impacto durante uma década ou mais antes de esgotar-se.

Um dos experimentos mais bem-sucedidos em andamento é o BerkShares, uma moeda social de papel fundada em 2006 através do Schumacher Center for New Economics, organização sem fins lucrativos. Mais de 400 empresas em Great Barrington, Massachusetts, aceitam o BerkShares, e o dinheiro é lastreado por uma rede de bancos comunitários.

Susan Witt, que chefia o Schumacher Center, diz que esse colapso econômico atual apenas destacou o valor de uma moeda como o BerkShares.

Sua organização recebeu várias solicitações de municípios de todo o país na esperança de estabelecer seus próprios sistemas monetários no modelo BerkShares; dois deles estão considerando possíveis próximos passos.

“É um momento muito sombrio para pequenas empresas. Muitos não sobreviverão “, diz Witt. “Uma moeda, gerenciada localmente, é uma ferramenta elegante para atender às necessidades locais”.

Mas as moedas locais podem realmente impulsionar uma economia local? O passado contém algumas pistas.

Pegue a cidade austríaca de Wörgl, que lançou seu próprio xelim em 1932. Para manter os moradores gastando, a Wörgl aplicou uma multa de 1% ao mês quando os residentes seguravam as notas. Em 1933, cada schilling de Wörgl havia circulado 463 vezes – mais do que o dobro da taxa de circulação da moeda nacional da Áustria. O desemprego de Wörgl caiu 25%, mesmo enquanto o desemprego continuou a aumentar em todo o resto do país.

Anedotas como essa apontam para o potencial das moedas da comunidade – mas é complicado provocar uma relação definitiva entre as moedas da comunidade e a resiliência econômica, de acordo com Marek Hudon, professor de economia da Universidade Livre de Bruxelas (Bélgica).

“Há muitas lojas dizendo que eles têm novos clientes graças à moeda da comunidade”, diz Hudon, mas “é extremamente difícil estabelecer uma relação causal com essa moeda local e um impacto macroeconômico real”.

Hudon foi co-autor de uma revisão de 2015 da pesquisa sobre moedas comunitárias e descobriu que cerca de metade das “moedas comunitárias” (um termo genérico que inclui moedas locais como BerkShares ou dólares de madeira de Tenino) não teve impacto macroeconômico mensurável.

Moeda Social adotada em outros locais do mundo
Outras moedas sociais locais do mundo

Mas o estudo também descobriu que, em um subconjunto de casos, as moedas locais podem “agir como almofadas contra choques econômicos externos”. E embora seu impacto não seja amplamente sentido, as moedas locais são “significativas para uma parte pequena, mas substancial da população”: os economicamente marginalizados.

Francis Ayley, criador do Life Dollars no estado de Washington, conta sobre uma mulher de Bellingham que ele conhecia e que emprestou aproximadamente US$ 9 mil em dólares. Depois de 2 anos, apoiada por crédito da comunidade, a mulher ficou de pé e começou a pagar seu compromisso.

“Se ela tivesse ido ao banco e dissesse: ‘Você pode me emprestar US$ 10 mil pelos próximos dois anos?’, Eles teriam dado risada e dito: ‘É claro que não'”, diz Ayley.

O dólar de madeira de Tenino é diferente de muitas moedas locais, pois é temporário: o dinheiro perderá seu valor logo após a cidade declarar o fim do seu estado de emergência COVID-19.

Embora o projeto Tenino possa ser menos ambicioso do que alguns de seus colegas, isso não significa que seus benefícios não serão sentidos. Fournier diz que aprovou pelo menos meia dúzia de pedidos para a moeda de madeira até agora e tem mais uma dúzia para revisar.

É muito cedo para saber exatamente o que o projeto trará. Mas numa quinta-feira recente, Fournier parecia otimista. O dinheiro começou a chegar às lojas locais e muitas empresas estão postando fotos da moeda no Facebook.

O projeto gerou entusiasmo local suficiente para que a Câmara de Comércio Tenino esteja interessada em tornar os dólares de madeira um elemento permanente de Tenino – mesmo após a pandemia.

“Vamos acabar com esse programa”, diz Fournier, “e depois veremos como ter nossa própria moeda social da cidade”.

Apóie nosso trabalho no instagram. Diariamente postamos referências garimpadas por nossas andanças virtuais. Por lá você encontrará muita coisa bacana sobre arte, design, música e gastronomia. Uma extensão visual do nosso blog.

Instagram Linoleum Magazine

Buscando novas formas de atravessar a crise? Confira nosso post sobre as leis da atitude mental positiva, um exercício recomendado para todos.

TAGS:

PUBLICIDADE

Cadastre-se e receba antes nossas dicas e novidades!